Pelo direito de deletar seus dados …

Postar este vídeo aqui no blog de Humanidades Digitais pode parecer despropositado, mas não é. Explico o porquê.

Vou partir do óbvio: dados pertencem a alguém, este alguém – o possuidor – decide a quem disponibiliza, como e por quanto tempo. Antes da popularização das redes sociais, é possível que a palavra ‘dados’ remetesse apenas a instituições e órgãos regulamentadores. Bem, talvez antigamente órgãos institucionais fossem os únicos a se preocupar com armazenagem, acesso e etc de uma infinidade de tipos de dados. O que se observa depois da popularização das redes sociais é que os ‘dados’ estão sendo armazenados de uma outra forma, e além disso, o acesso a eles também se realiza de uma outra forma bem peculiar. E é justamente essa uma das questões que este vídeo levanta. Continue lendo “Pelo direito de deletar seus dados …”

“La educación prohibida”: Copyleft e cultura do compartilhamento

O documentário La educación prohibida estreia hoje em Buenos Aires e em todos os lugares do mundo, pelo site http://www.educacionprohibida.com. O filme, que integra mais de 90 entrevistas com educadores, oferece um questionamento da lógica da escolarização atual e mostra iniciativas educacionais inovadoras em 45 países.

No site do projeto, a primeira tela do filme anuncia: “É permitida e incentivada a cópia, modificação, tradução e exibição pública deste filme, desde que não exista finalidade de lucro (…) – Copyleft: A cultura se protege compartilhando“. O documentário foi idealizado por jovens estudantes argentinos e co-produzido por 704 doadores, pelo sistema de Financiamento Coletivo ou Crowdfunding, ou seja, pela contribuição espontânea feita por internet.  Continue lendo ““La educación prohibida”: Copyleft e cultura do compartilhamento”

Digitalização dos acervos públicos europeus: Um balanço da década

A GLAM – Open Galleries, Libraries, Archives and Museums – é uma rede global de instituições dedicadas a construir o acesso aberto a seus acervos, como parte da Open Knowledge Foundation, e em parceria com a DM2E, a Comissão da União Europeia responsável por fomentar o acesso livre ao patrimônio cultural do continente por meio da Europeana. No site da GLAM, neste mês, há um artigo muito interessante sobre o estado atual dos esforços de digitalização dos acervos públicos europeus nesta última década. Veja o texto completo: The state of digitazition, por Joris Pekel.

Alexander von Humboldt na Brasiliana Digital

Mensageiro da província de Jaén Bracamoros (Detalhe). No livro Des Freiherrn Alexander von Humboldt und Aimé Bonpland Reise (…), Volume 4. Acervo da Brasiliana USP.

Como parte dos nossos projetos na área de tradução – alemão, a Brasiliana USP colocou no ar, recentemente, o trabalho de catalogação das obras de Alexander von Humboldt sobre o Brasil: “Alexander von Humboldt (1769-1859), o barão von Humboldt, oriundo de família nobre, nasceu e morreu em Berlim (Alemanha). Humboldt se correspondeu e também influenciou autores e naturalistas de prestígio em sua época pois, como geógrafo, cartógrafo, naturalista e explorador, estabeleceu conceitos importantes para a geografia moderna e desenvolveu ramos significativos como a geografia climática e humana, a fitogeografia e a geopolítica“. O artigo completo de Luciana de Fátima Candido está na Brasiliana Digital.