"Humanidades Digitais"

As Humanidades Digitais:
Pequena coleção de definições

“Digital Humanities is an academic field self-reflexively looking at
the application of digital technology to humanities fields of enquiry”.
James Cummings, Oxford

“[Digital Humanities is a] quickly evolving interdisciplinary activity that
not only transfers to digital media but also radically extends the potential uses
and impacts of texts, cultural objects and other data”.
Paris O’Donnell, University College London

“The digital humanities, also known as humanities computing,
is a field of study, research, teaching, and invention concerned with
the intersection of computing and the disciplines of the humanities.
It is methodological by nature and interdisciplinary in scope.
It involves investigation, analysis, synthesis and presentation
of information in electronic form. It studies how these media affect
the disciplines in which they are used, and what these disciplines
have to contribute to our knowledge of computing”.
Matthew Kirschenbau, Maryland (*)

“My definition of Digital Humanities is
the creative analysis,synthesis and presentation of information
(both print and non-print)in digital environment.
Digital humanities investigate how digital  media affect the disciplines
in which they are used. In practice, we are constantly redefining
not only the concept of humanities computing but also of computing itself.
In this manner, we come to understand how these disciplines
when recalibrated for a digital environment contribute to
our knowledge of computing; we also come to understand how
computing changes the way we acquire knowledge
and experience affect”.
Theodoros Chiotis, Oxford

“The digital humanities are just the humanities of the present moment”.
Alex Reid, Buffalo

Outros materiais e fontes

Anúncios

3 respostas para “"Humanidades Digitais"”

  1. A definição de “humanidades digitais” é bastante complexa. Ainda não há forma de explicar o que são as DH sem recorrer a várias definições ao mesmo tempo. Estas definições às vezes não concordam entre si, alimentando o debate neste campo ainda novo. Há aqueles que preferem o uso mais abrangente do termo (“the big tent”) mas há outros que preferem uma definição mais estreita, muitas vezes em função do contexto. É difícil estabelecer os limites de um campo que trabalha a partir de disciplinas diferentes e que envolve diferentes profissionais e modos de trabalho. Mas acho a definição de Stephen Ramsay em “On building” uma das mais interessante e queria compartilhá-la com vocês. Ele basicamente afirma que o que têm em comum as DH é a construção, é a prática de “fazer”:

    “Building is, for us, a new kind of hermeneutic — one that is quite a bit more radical than taking the traditional methods of humanistic inquiry and applying them to digital objects. Media studies, game studies, critical code studies, and various other disciplines have brought wonderful new things to humanistic study, but I will say (at my peril) that none of these represent as radical a shift as the move from reading to making.”

    Acho interessantíssimo o trabalho que vocês estão fazendo no Brasil –eu sou estudante de Matthew Kirschenbaum na Universidade de Maryland, e não é fácil chamar a atenção para projetos em outras línguas que não sejam em inglês (o meu é de tradução do português para o espanhol). Através de projetos como o seu vai acrescentando-se o material digital em português com linhas de pesquisa e interesses próprios. Parabéns!

  2. A definição de “humanidades digitais” é bastante complexa. Ainda não há forma de explicar o que são as DH sem recorrer a várias definições ao mesmo tempo. Estas definições às vezes não concordam entre si, alimentando o debate neste campo ainda novo. Há aqueles que preferem o uso mais abrangente do termo (“the big tent”) mas há outros que preferem uma definição mais estreita, muitas vezes em função do contexto. É difícil estabelecer os limites de um campo que trabalha a partir de disciplinas diferentes e que envolve diferentes profissionais e modos de trabalho. Mas acho a definição de Stephen Ramsay em “On building” uma das mais interessante e queria compartilhá-la com vocês. Ele basicamente afirma que o que têm em comum as DH é a construção, é a prática de “fazer”:

    “Building is, for us, a new kind of hermeneutic — one that is quite a bit more radical than taking the traditional methods of humanistic inquiry and applying them to digital objects. Media studies, game studies, critical code studies, and various other disciplines have brought wonderful new things to humanistic study, but I will say (at my peril) that none of these represent as radical a shift as the move from reading to making.”

    Acho interessantíssimo o trabalho que vocês estão fazendo no Brasil –eu sou estudante de Mathew Kirschenbaum na Universidade de Maryland, e não é fácil chamar a atenção para projetos em outras línguas que não sejam em inglês. Através de projetos como o seu vai acrescentando-se o material digital em português com linhas de pesquisa e interesses próprios. Parabéns!

Comentários?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s