Tudo ao mesmo tempo agora – o mapa sincronológico de Sebastian Adams

Adams' Synchronological Chart of Universal History. David Rumsay Map Collection
Adams’ Synchronological Chart of Universal History. David Rumsay Map Collection

O “Mapa Sincronológico da História Universal – pelos olhos da mente” [1] pode ser considerado o mais perfeito exemplo da fúria pela sintetização visual da história, com sua narrativa ilustrada de mais de cinco mil anos de eventos: de Adão e Eva no Paraíso, passando pela Torre de Babel, acensão e queda do Império Romano, formação das grandes dinastias europeias e orientais, grandes navegações, invenção da máquina a vapor… figuras e linhagens vão se desenrolando até chegar ao fim apoteótico do mapa: os primeiros presidentes dos Estados Unidos da América.

Adams' Synchronological Chart of Universal History. David Rumsay Map Collection. [Detalhe]
Adams’ Synchronological Chart of Universal History. David Rumsay Map Collection. [Detalhe]
Terreno rico para reflexões sobre as formas pelas quais as diferentes sociedades humanas constroem e representam suas narrativas – como por exemplo as de [2], [3] ou [4] (referências abaixo).

Adams' Synchronological Chart of Universal History. David Rumsay Map Collection. [Detalhe]
Adams’ Synchronological Chart of Universal History. David Rumsay Map Collection. [Detalhe]
O Mapa, projeto visionário do norte-americano Sebastian Adams, foi lançado em diversas edições entre 1871 e 1885, inicialmente como edição independente financiada por assinantes e ao final como grande sucesso de vendas (cf. [2]). Era composto na forma de um livro de cerca de setenta centímetros de altura contendo uma faixa de sete metros de comprimento – e podia ser visualizado no próprio livro, abrindo-se a faixa por partes; ou a faixa podia ser retirada e pendurada em (grandes) paredes.

Hoje ainda é possível comprar algumas edições originais do livro de Adam em leilões, algumas edições posteriores em sebos norte-americanos, como essa, ou mesmo reproduções recentes da faixa separada.

Imagem 082
Adams’ Synchronological Chart of Universal History. David Rumsay Map Collection.

Recentemente uma edição digital do mapa foi lançada pelo site da coleção David Rumsay [5], de onde vem as figuras que ilustram o post. A edição digital é muito boa, com uma reprodução em alta definição, na qual é possível examinar o mapa com muito detalhe.

Por  outro lado, não se tem uma boa visão geral do mapa, pois naturalmente a faixa inteira, com seus sete metros de comprimento, só cabe na tela de um computador em dimensões muito reduzidas.

Fica, assim, para os olhos da nossa mente visualizar a expressão no rosto de uma criança nos idos de 1890 ao abrir um livro desses e ir desdobrando aos poucos aquele papel infinito cheio de figuras de armas e navios, e a vertigem de uma outra criança ao rodar as paredes de uma sala de escola vendo sucederem-se tantos nomes de reis.

Referências e sugestões de leitura:

[1] Adams, Sebastian C. Adams’ Synchronological Chart of Universal History. Through the Eye to the Mind. A Chroesnological chart of Ancient, Modern and Biblical History, Synchronized by Sebastian C. Adams. Third Edition and Twelfth-Thousand carefully and critically revised and brought down to 1878. Colby & Co. Publishers, 39 Union Square, New York. The Strowbridge Lithographing Company, Cincinnati, O. Entered According to Act of Congress in the Year A.D. 1871, by S.C. Admas, in the Office of the Librarian of Congress at Washington, D.C.

[2] Rosenberg, Daniel & Grafton, Anthony. Cartographies of Time: A History of the Timeline. Princeton Architectural Press, 2013.

[3] Popova, Maria. Cartographies of Time – A chronology of one of our most inescapable metaphors, or what Macbeth has to do with Galileo. 02/07/2012. http://www.brainpickings.org/index.php/2012/02/07/cartographies-of-time/

[4] Friendly, Michael; Sigal, Matthew; Harnanansingh, Derek. The Milestones Project: A Database for the History of Data Visualization. http://datavis.ca/papers/MilestonesProject.pdf

[5] (Composite of) Adams’ Synchronological Chart of Universal History. Edição Digital, David Rumsay Collection. http://www.davidrumsey.com/luna/servlet/detail/RUMSEY~8~1~226099~5505934:-Composite-of–Adams–Synchronologi

[6] Nàdia Revenga, Nàdia. Mapas y líneas del tiempo: propuestas de visualización de la información contenida en la base de datos CATCOM. http://www.uqtr.ca/TEATRO/teapal/TeaPalNum07Rep/05RevengaNadia.pdf

 

Anúncios

Marco Civil da Internet e Neutralidade da Rede – para entender o debate

"Internet Livre". Fonte: http://www.facebook.com/MarcoCivilJa/photos
“Internet Livre”. Fonte: http://www.facebook.com/MarcoCivilJa/photos

Os debates em torno do “Marco Civil da Internet” tem sido intensos no Brasil desde que começaram as negociações em torno da votação do Projeto de Lei 2126, de 2011  (cf. [13]) – e, tanto nas mídias tradicionais como nos blogs e redes sociais, há muito que ler sobre o assunto. Como é provável que a votação do Projeto no Congresso aconteça nesta semana (cf. [9]), preparei aqui uma seleção de artigos, debates e entrevistas sobre o tema.

Mas “… o que o Marco Civil e a Neutralidade da Rede tem a com as Humanidades Digitais?“. [Leia mais em http://hdbr.hypotheses.org/4863]

Digitalização como tradução material: A tipografia líquida de ‘The Art of Google Books’

Tabelas que se contorcem, linhas de texto que ondulam como um rio ao longo da página, tipos que crescem e diminuem num balé entontecedor: essa é a beleza das imagens destacadas em The Art of Google Books. Ali, a artista plástica Krissy Wilson extrai, das “falhas técnicas” da digitalização do gigante Google, uma poesia: a poesia da quebra da opacidade pretendida pela representação digital.

http://theartofgooglebooks.tumblr.com
Página de “A Prognostication of Right Good Effect, Fructfully Augmented Contayninge Playne, Briefe, Pleasant, Chosen Rules”, 1555. Em The Art of Google Books, http://theartofgooglebooks.tumblr.com/ – 30/09/2013

É como se, ao longo de uma leitura que já se fazia confortável, subitamente, pelo encontro de uma dessas “falhas”, fossemos acordados do nosso sonho de estar lendo um livro renascentista sobre a previsão do tempo, e percebessemos por um breve instante, meio chocados, que estávamos apenas diante de uma representação do livro. Esse atordoamento provocado pela falha faz um corte no fluxo estável programado para a nossa fruição do objeto representado, e nos faz ver, através do corte, as entranhas do processo que tentou trazer aquele livro para a sala da nossa casa, percorrendo quilômetros de terra (e mar) e cinco séculos de tempo.

http://books.google.com.br/books?id=PXAaAQAAMAAJ
Página de “A Prognostication of Right Good Effect, Fructfully Augmented Contayninge Playne, Briefe, Pleasant, Chosen Rules”, 1555. Screenshot de http://books.google.com.br/books?id=PXAaAQAAMAAJ

As imagens destacadas pela artista entre as muitas falhas que podemos observar em páginas de livros escaneados nos remetem à delicada relação entre os objetos “digitalizados” e seus originais, sucitando a pergunta: o que estamos fazendo, afinal, quando digitalizamos livros impressos? A digitalização, mais que uma simples cópia, é uma representação, um processo de reprodução que envolve uma profunda transformação no objeto representado.

http://theartofgooglebooks.tumblr.com/
Página de “A Prognostication of Right Good Effect, Fructfully Augmented Contayninge Playne, Briefe, Pleasant, Chosen Rules”, 1555. Em The Art of Google Books, http://theartofgooglebooks.tumblr.com/ – 30/09/2013

O meio digital tem propriedades fundamentalmente distintas do meio a que pertenciam os objetos que se pretende representar, e na ponte entre um e outro meio reside a arte da representação pela digitalização. No campo da crítica textual, ainda não se formou um vocabulário técnico respeitável para lidarmos com essa nova forma de “cópia”. Eu mesma já propus o termo “Tradução Material” [i], sugerindo que a relação entre o objeto digital e seu original é semelhante à relação entre um texto traduzido e seu original. São e não são “o mesmo texto”: e a ilusão da similitude, quando obtida, é simplesmente a manifestação mais clara do bom resultado da representação – assim como, em um texto bem traduzido de uma língua para outra, o efeito da língua original se oblitera, foge à nossa percepção, pela boa arte do tradutor. Assim, nesses dois processos de tradução está em jogo a arte de produzir a ilusão da não-representação. Nesse sentido, quanto mais um livro digitalizado apresentar-se “igual” ao objeto impresso, maior terá sido o esforço da representação – mais perto se terá chegado da opacidade pretendida pela técnica.

Nesse sentido é que o olhar de Wilson em The Art of Google Books é singular. A artista enxergou, nas páginas distorcidas dos livros digitalizados, a brecha da “tradução manca”: aquele ponto de “erro” que nos revela o processo que quer operar na opacidade da perfeição técnica – a fábrica de representações se revelando transparente, como se revelaria um feixe de luz que se quisesse cobrir com um tecido fino demais.

http://theartofgooglebooks.tumblr.com
Página de “A Prognostication of Right Good Effect, Fructfully Augmented Contayninge Playne, Briefe, Pleasant, Chosen Rules”, 1555. Em The Art of Google Books, http://theartofgooglebooks.tumblr.com/ – 30/09/2013

Podemos ainda, é claro, ver a coleção de imagens reunida pela artista como um alerta sobre a baixa qualidade dos procedimentos adotados pela gigante corporativa Google em seu projeto de digitalização massificada e global (a própria artista reconhece que sua iniciativa pode ser abordada neste viés, em recente entrevista à coluna Art Beat).

Outros observadores da “arte das falhas” também incluem esse viés crítico. Destacaríamos, aqui, o fantástico “Google Hands“, de Benjamin Shaykin – livro inteiramente dedicado às imagens surreais e perturbadoras de mãos sobre páginas de livros digitalizados coletadas pelo artista.

http://www.newyorker.com/online/blogs/books/2013/12/the-art-of-google-book-scan.html
“Special Collection”, 2009. Benjamin Shaykin. Photo by the Library of the Printed Web. Disponível em http://www.newyorker.com/online/blogs/books/2013/12/the-art-of-google-book-scan.html

As imagens do livro de Shaykin parecem levar a um corte ainda mais violento que o das tabelas dançantes – pois, aqui, já não se trata simplesmente de uma distorção revelando o efeito da tradução material, mas sim da interferência brutal de um objeto externo ao livro, mostrando-nos, muito cruamente, o caráter de “fábrica de imagens” por trás do Google Books.

Segundo  esta ótima matéria na revista The New Yorker, já se pode falar em uma subcultura de colecionadores de “Google Hands”, artistas e observadores obcecados, como Shaykin, na reunião dessas imagens. As “Google Hands“, entretanto,  são apenas o lado mais visível dos efeitos da digitalização em massa sobre a qualidade do material digitalizado hoje disponível na rede mundial de computadores.

Temos, hoje, um volume inacreditável de livros à disposição para leitura, transmutados de seus suportes originais para dentro das telas dos nossos computadores pessoais. Os lados positivos desse processo nem precisam ser mencionados; mas, como saldo negativo, temos os problemas de qualidade que surgiram com o aumento no ritmo das digitalizações. A qualidade das imagens é apenas um deles (nem começaremos, aqui, a mencionar o problema da qualidade da catalogação dos livros).

The Art of Google Books, entretanto, consegue olhar esse universo com arte e delicadeza – é um álbum que vale a visita.

………………………………………

[i] PAIXÃO DE SOUSA, M. C. Humanidades Digitais: O digital e as novas formas de construção do conhecimento. Comunicação ao Seminário Internacional Sistemas de Informação e Acervos Digitais de Cultura. São Paulo, 12 de março de 2013. Gravado em vídeo – Canal da Secretaria de Políticas Culturais do Ministério da Cultura, 
http://youtu.be/m0s-iAfZPDE

Vídeos do I Seminário Internacional em Humanidades Digitais no Brasil

Os vídeos com as comunicações realizadas durante o I Seminário Internacional em Humanidades Digitais no Brasil“, entre 23 e 25 de outubro de 2013, na Universidade de São Paulo, acabam de ser anunciados pela Comissão Organizadora do evento.

O material contém a íntegra das 20 conferências e mesas, e está disponível como uma playlist no canal Humanidades Digitais, ,HD.br, no YouTube:

As gravações foram feitas durante o Seminário, conforme divulgação na época, com o intuito principal de serem transmitidas ao vivo. Por isso, e também porque o auditório não opera ainda em sua plena capacidade, a qualidade das imagens está longe da ideal, como poderão notar. Entretanto, o áudio está muito bom e é possível ter pleno acesso ao conteúdo discutido.

Assim, e tendo em vista os inúmeros e constantes pedidos acerca da divulgação das palestras e das comunicações, a Comissão acreditou que valeria a pena anunciar esse conteúdo, pedindo desculpas pela baixa qualidade das imagens.

Antecipadamente agradecemos o seu interesse!

Bruna e Maria Clara,
pela Comissão Organizadora do
I Seminário Internacional em Humanidades Digitais no Brasil
http://seminariohumanidadesdigitais.wordpress.com/

(Segue, também, a lista completa dos vídeos contidos na playlist, pela ordem da apresentação no Seminário):

“Antigas páginas acadêmicas…”

revista_de_medicina
Revista de Medicina, 1916, Volume 1, numero 2. Capa. Disponivel em http://www.revistas.usp.br/revistadc/issue/view/5028

 Antigas páginas acadêmicas: Portal da USP traz a coleção completa de algumas das primeiras revistas científicas editadas em suas faculdades | Revista Pesquisa Fapesp, ed. 213 – Novembro de 2013 – Marcos Pivetta

Artigo na Revista Fapesp deste mês aborda o projeto de digitalização das primeiras revistas científicas da Universidade de São Paulo: “Neste mês de novembro o Portal de Revistas da Universidade de São Paulo (USP) torna disponível na internet a coleção completa de alguns dos primeiros periódicos científicos produzidos por faculdades dessa instituição. Os títulos mais velhos remontam ao fim do século XIX ou ao começo do XX e alguns foram lançados por unidades acadêmicas que existiam antes do advento da USP, em 1934, e à universidade foram incorporadas no momento de sua criação. No endereço www.revistas.usp.br poderão ser encontrados todos os números de periódicos como a Revista da Faculdade de Direito de São Paulo – a mais antiga da coleção, que começou a ser editada em 1893 e permanece até hoje viva – ou a Revista de Medicina, da Faculdade de Medicina, criada em 1916 e igualmente ainda impressa“. Leia o artigo completo na Revista Pesquisa Fapesp.

Oyster – transformando a leitura

Flicker - Fotopedia Vincent Desjardins 06 jul 2010
Flicker – Fotopedia Vincent Desjardins 06 jul 2010

O ambiente digital da atualidade opera transformações em diversos âmbitos e aspectos.  A noção de autoria, por exemplo, dificilmente se verá livre de todas os questionamentos que sobre ela se erigem em praticamente todas as discussões e todos os debates, acadêmicos ou não.

A polêmica em torno dos paradigmas ‘livre’ e ‘aberto’ também promovem acaloradas defesas de pontos de vista. Paralelamente a isso, o conceito de disseminação da informação e da produção de conteúdo encontra inflamados defensores e opositores.

Outras fervilhantes discussões  poderiam ser facilmente apresentadas neste breve introito, no entanto uma específica parece despontar, aquela a que o título da matéria do New Yorker faz referência: O que significa ‘possuir’ um livro? E por ‘possuir’ entenda-se ‘ter como propriedade’.

Essa discussão se desenrola porque foi lançado um aplicativo, Oyster, que permite que a leitura seja feita em conjunto, ou seja, é possível ler um texto em rede e fazer comentários e outros usuários terem acesso a esses comentários on-line e responderem. Uma espécie de rede social literalmente dentro do texto, é como se este engendrasse aquela interação, aquele contato, aquela troca.

Primeiramente questionamentos  –  como: A leitura não é um processo que se realiza em um momento de solidão e reflexão a sós? Cognitivamente o que significa ‘compartilhar’ e ‘compartilhar sem processar impressões e reflexões oriundas da leitura’? e etc – surgem evidenciando todo o potencial de interatividade que a tecnologia oferta e promete, que é muito promissor mas que diluirá fronteiras e processos que edificaram e construíram a maneira de se solidifcar o conhecimento, dentre eles a leitura em voz baixa em ambiente silencioso e reservado. Essa imagem mental se mostra distante e obsoleta, mas não podemos nos esquecer de que esta foi a forma como se instituíram as bases do conhecimento de muitas áreas da ciência. O ambiente da interatividade global é um advento relativamente recente, claro está que havia interatividade com pares da mesma área, mas como hoje ocorre, parece inimaginável há algumas décadas atrás. Especialistas em diferentes momentos de suas carreiras e amadurecimento intelectual interagem incessantemente com leigos, nos mais variados contextos.

É interessante notar que, atualmente, o que parece nortear o desenvolvimento de muitos aplicativos é a interatividade, a interação, a exposição necessária daquilo que se faz. E isso embassa a noção de pertencimento, empréstimo e aquisição pelo fato de que, no caso deste aplicativo, paga-se uma taxa mensal e os usuários podem recomendar e compartilhar livros que estão lendo. Por um lado, todos estão influenciando a leitura de todos, sendo que segundo a matéria, esse aplicativo não foi elaborado para quem não estiver interessado nesse compartilhamento. Por outro lado, a circulação de ideias e conhecimento adquirirá uma dinâmica nunca antes imaginada. Assim como a leitura.

Considerando principalmente o quanto a noção de conteúdo passível de ser disseminado também sofrerá transformações em seus paradigmas definitórios, interessante serão futuras pesquisas sobre memória e recepção.

Em um mundo, que durante muito tempo, se definiu por suas fronteiras, barreiras e singularidades, hoje é possível ter a impressão de que isso se diluirá até que passe a não mais existir, pelo menos no plano da interatividade em ambiente digital.

Flicker Nomadic Lass 04 fev 2012
Flicker Nomadic Lass 04 fev 2012

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Veja mais em: http://www.newyorker.com/online/blogs/books/2013/09/oyster-iphone-app-ereader-what-does-it-mean-to-own-a-book.html

‘Media Commons’: novas perspectivas para a escrita acadêmica

Imagem de http://mediacommons.futureofthebook.org/

A necessidade de se publicar trabalhos científicos rigorosamente criticados por pares em grandes quantidades é hoje um consenso no mundo acadêmico – ao menos, é um consenso a cuja métrica todos os que desejam permanecer ativos na vida intelectual universitária precisam se adaptar. Poucos, entretanto, têm se aventurado a interrogar o sentido que a expressão “crítica por pares“, ou mesmo o termo “publicar“, adquiriram nos dias de hoje. As publicações acadêmicas continuam a seguir a lógica do mundo impresso – quando não na sua forma física, ao menos na sua metodologia.

Nesse contexto, a editora Media Commons Press – Open scholarship in open formats (parte do projeto mais amplo Media Commons) aparece como um sopro de inovação. Iniciada em 2007 pela pesquisadora norte-americana Kathleen Fitzpatrick, da Universidade de Nova York, a editora se propõe a publicar trabalhos acadêmicos em formato inteiramente aberto à leitura e à contribuição crítica de comentaristas registrados – um “peer-review” colaborativo em linha.

Um caminho extremamente interessante para se conhecer o conceito da editora é ler, na plataforma, seu livro inaugural – “Planned Obsolescence: Publishing, Technology, and the Future of the Academy“, da própria FItzpatrick, que discute os desafios dos formatos atuais de publicação acadêmica e propõe novos formatos e conceitos para a difusão do trabalho científico. Propõe, e executa – a leitura do texto, na plataforma colaborativa, é de fato uma experiência extremamente interessante, uma ‘meta-leitura’, na qual o assunto debatido no livro vai sendo instantaneamente atuado conforme os nossos olhos progridem pela tela.

Planned Obsolescence” toca diversos temas muito interessantes, que renderiam vários posts e conversas. Aqui destacamos uma propriedade singular do livro: sua avaliação crítica da metodologia tradicional da publicação acadêmica não se limita ao já cansativo debate “papel versus tela”. Ao contrário, a autora pinça, na diferença entre as duas formas de publicação, aquilo que é de fato o mais importante (e que poucos percebem): a publicação digital pode prescindir de intermediários, colocando o autor em contato direto com o leitor – e, no caso do texto acadêmico, também com o revisor crítico.  As novas formas de construção de texto possibilitadas por essa propriedade são ainda inexploradas, e o projeto Media Commons Press é um caminho de vanguarda muito interessante nesse sentido.

crosswordbig
Imagem de http://mediacommons.futureofthebook.org/

Open Data

Crédito: Naqsh- e Rostam I - Dynamosquito – Flickr 17 de dezembro de 2008
Crédito: Naqsh- e Rostam I – Dynamosquito – Flickr 17 de dezembro de 2008

Como em tantas outras áreas científicas, o campo de Humanidades Digitais também carece de uma padronização em sua terminologia. É relevante pontuar este aspecto pois o debate Maximising the use of public data – should research and publicly acquired data be made more accessible? ocorrido em 10 de julho na Royal Society sobre o tema  Open Data, trouxe à tona um novo termo e um novo conceito, ainda que isso soe demasiadamente clichê.

Como não poderia deixar de ser, esse evento discute um tema em evidência: a disponibilidade de dados. Citando Geoffrey Boulton, Professor Emérito da Universidade de Edinburgo, no evento, é importante que os dados sejam “acessíveis, ‘assessáveis’, inteligíveis e reutilizáveis”, só assim os dados estarão realmente disponíveis, na mais genuína acepção do vocábulo.

O termo novo citado no primeiro parágrafo seria open inovation ‘inovação aberta’ como o quinto paradigma das Humanidades Digitais. É muito importante pontuar que por “abertura”  entende-se uma abrangente disponibilidade, que por sua vez não ameaça o método científico e/ou a ciência.

Seguindo diferentes problemáticas no universo da acessibilidade de dados, as palestras abordam diferentes temas, dentre eles, quais os impactos que os dados causam no fazer científico; como a questão da ética se mostra basilar em se tratando de dados sobre um indivíduo em especial e sobre dados em geral de uma determinada área da ciência; a maneira como se lida com os dados nos dias de hoje; os dados podem ser usados em toda a sua potencialidade apenas quando são inteligíveis; que as fronteiras na área de Humanidades Digitais são fluidas; pois não se trata apenas dos dados em si, mas antes, da real possibilidade de se ter acesso a eles e de utilizá-los efetivamente.

Ao ouvir as falas e ao ler as apresentações em slide do blog de Simon Tanner (http://simon-tanner.blogspot.co.uk), fica evidente, como os próprios palestrantes evidenciam em vários pontos de suas respectivas falas, o foco da discussão não são os dados em si, mas sim a licença e/ou permissão para se utilizá-los, ou seja, é possível pensar que toda a questão orbita no direito de propriedade.

Um último aspecto, polêmico, a destacar, abordado por Simon Tanner em seu post é: como proceder para manter e sustentar permanentemente a efetiva disponibilidade dos dados; ele muito acertadamente pontua que alguns palestrantes não entraram no mérito da questão e outros o fizeram superficialmente.

Steve Juvertson Flickr 13 de fevereiro de 2009
Crédito: Steve Juvertson Flickr 13 de fevereiro de 2009

Veja mais em: http://simon-tanner.blogspot.co.uk/2013/07/uk-government-promotes-open-data-public.html

I Seminário “O Tupi antigo e as línguas gerais na formação da civilização brasileira”

A Área de Línguas Indígenas e o Centro Ángel Rama da FFLCH-USP convida a todos para o I SEMINÁRIO ‘O TUPI ANTIGO E AS LÍNGUAS GERAIS NA FORMAÇÃO DA CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA’, a acontecer nos dias 27 e 28 de junho.

Palestra de abertura: Prof. Alfredo Bosi.

Mais informações no site do evento: https://sites.google.com/site/seminariotupi

Gravura em cobre de Theodor de Bry. Dança ritual dos Tupinambá.
Gravura em cobre de Theodor de Bry. Dança ritual dos Tupinambá.

Nosso blog no Dia das Humanidades Digitais

O Dia das Humanidades Digitais em Português e Espanhol foi um sucesso, com 97 blogues e 144 membros cadastrados. Em breve a plataforma será fechada, e os blogues participantes serão reorganizados e recompilados. Assim, os organizadores pretendem começar um debate em torno da pergunta que impulsionou a iniciativa: “o que é que fazem, efetivamente, os ‘Humanistas Digitais’ ?“.

Enquanto isso… Convidamos a todos para visitar nosso blog na plataforma. Optamos por compor um blog-diário, simplesmente postando sobre o que estávamos fazendo a cada período do dia – e tiramos algumas fotos! Pensamos assim ter formado um retrato do nosso cotidiano de pesquisas… Visite-nos! Em http://dhd2013.filos.unam.mx/humanidadesdigitaisusp/

20130615-130721.jpg

Jornadas Filipinas | Brasiliana USP

Jornadas Filipinas
Universidade de São Paulo,
10 a 17 de junho de 2013

“O Programa de Pós-Graduação em História Social, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP), promove em junho as Jornadas Filipinas. O evento é composto por três seminários, nos dias 10,12 e 14 de junho, que ocorrem no prédio da História e Geografia da USP, e de uma jornada, no dia 17 de junho, no Auditório István Jancsó da Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin, também na USP. Entre outras atividades, consta da programação a mesa-redonda “Uma agenda para os estudos filipinos”, coordenada pelo historiador Fernando Novais (USP), da qual participarão Stuart B. Schwartz (Yale University), Fernando Bouza-Alvares (Universidad Complutense de Madrid) e Ronaldo Vainfas (Universidade Federal Fluminense)”. Leia mais na Agência Fapesphttp://agencia.fapesp.br/17326

Curadoria de Conteúdo

David King  Flickr  26 de agosto de 2006
David King
Flickr
26 de agosto de 2006

“Dar visibilidade ao acervo digitalizado da Funarte, criando conteúdos que contextualizem, valorizem e reflitam sobre o que está sob a guarda da instituição – alargando nossa visão sobre a produção cultural brasileira e valorizando nossa memória – são alguns dos objetivos do Portal das Artes, nesta área inteiramente dedicada ao Projeto Brasil Memória das Artes, de digitalização e difusão de acervo.”

Leia mais em: http://www.funarte.gov.br/brasilmemoriadasartes/acervo/o-projeto/por-dentro-da-memoria/. Acesso em 13 de maio de 2013.

Fusão e Difusão

Celebrity Solstice. Atrium. Foyer. Library. Card Room Tom Mascaro  Flickr  25/janeiro/2009
Celebrity Solstice – Atrium. Foyer. Library. Card Room. Tom Mascaro, Flickr, 25/janeiro/2009

“E se pudesse ver conteúdos extra e multimédia enquanto folheia o seu livro de papel? Uma equipa da Universidade do Minho criou um projeto inovador que faz essa fusão entre o livro eletrónico e o livro físico. O projeto ‘Bridging Book’ vai ser exibido na maior conferência internacional da área, a CHI 2013, que decorre na próxima semana em Paris.” (http://boasnoticias.sapo.pt/noticias_UMinho-faz-a-fus%C3%A3o-entre-ebook-e-livro-f%C3%ADsico_15455.html – acesso em 03/maio/2013)

Leia mais:

http://chi2013.acm.org/

http://www.engagelab.org/

Digitalização e Cinema

Bette Davies 1931 - Foto Luiz Fernando Reis/Sonia Maria. Fonte: Flickr em 18-07-2011
Bette Davies 1931 – Foto Luiz Fernando Reis/Sonia Maria. Fonte: Flickr em 18-07-2011

“Martin Koerber dirige, desde 2007, o Arquivo da Cinemateca Alemã – Museu de Cinema e Televisão, em Berlim. Em entrevista, ele fala sobre a importância da digitalização para seu trabalho.

Na função de diretor do Arquivo Cinematográfico, você vivencia no momento, de perto, uma mudança de paradigmas, ou seja, a transição da era do cinema analógico para a do cinema digital. Como isso modificou a essência de seu trabalho nos últimos anos?”

Andreas Busche, especialista em restaurações cinematográficas, entrevista Martin Koerber, diretor do Arquivo da Cinemateca Alemã – Museu de Cinema e Televisão, em Berlim.

Fonte: Goethe-Institut e. V., Internet-Redaktion
Março de 2013

Veja mais em: http://www.goethe.de/ins/br/lp/kul/dub/flm/pt10740851.htm