Vídeos do I Seminário Internacional em Humanidades Digitais no Brasil

Os vídeos com as comunicações realizadas durante o I Seminário Internacional em Humanidades Digitais no Brasil“, entre 23 e 25 de outubro de 2013, na Universidade de São Paulo, acabam de ser anunciados pela Comissão Organizadora do evento.

O material contém a íntegra das 20 conferências e mesas, e está disponível como uma playlist no canal Humanidades Digitais, ,HD.br, no YouTube:

As gravações foram feitas durante o Seminário, conforme divulgação na época, com o intuito principal de serem transmitidas ao vivo. Por isso, e também porque o auditório não opera ainda em sua plena capacidade, a qualidade das imagens está longe da ideal, como poderão notar. Entretanto, o áudio está muito bom e é possível ter pleno acesso ao conteúdo discutido.

Assim, e tendo em vista os inúmeros e constantes pedidos acerca da divulgação das palestras e das comunicações, a Comissão acreditou que valeria a pena anunciar esse conteúdo, pedindo desculpas pela baixa qualidade das imagens.

Antecipadamente agradecemos o seu interesse!

Bruna e Maria Clara,
pela Comissão Organizadora do
I Seminário Internacional em Humanidades Digitais no Brasil
http://seminariohumanidadesdigitais.wordpress.com/

(Segue, também, a lista completa dos vídeos contidos na playlist, pela ordem da apresentação no Seminário):

“Antigas páginas acadêmicas…”

revista_de_medicina
Revista de Medicina, 1916, Volume 1, numero 2. Capa. Disponivel em http://www.revistas.usp.br/revistadc/issue/view/5028

 Antigas páginas acadêmicas: Portal da USP traz a coleção completa de algumas das primeiras revistas científicas editadas em suas faculdades | Revista Pesquisa Fapesp, ed. 213 – Novembro de 2013 – Marcos Pivetta

Artigo na Revista Fapesp deste mês aborda o projeto de digitalização das primeiras revistas científicas da Universidade de São Paulo: “Neste mês de novembro o Portal de Revistas da Universidade de São Paulo (USP) torna disponível na internet a coleção completa de alguns dos primeiros periódicos científicos produzidos por faculdades dessa instituição. Os títulos mais velhos remontam ao fim do século XIX ou ao começo do XX e alguns foram lançados por unidades acadêmicas que existiam antes do advento da USP, em 1934, e à universidade foram incorporadas no momento de sua criação. No endereço www.revistas.usp.br poderão ser encontrados todos os números de periódicos como a Revista da Faculdade de Direito de São Paulo – a mais antiga da coleção, que começou a ser editada em 1893 e permanece até hoje viva – ou a Revista de Medicina, da Faculdade de Medicina, criada em 1916 e igualmente ainda impressa“. Leia o artigo completo na Revista Pesquisa Fapesp.

Associações em Humanidades Digitais: alguns exemplos

Este post no blog da AHDig – Associação das Humanidades Digitais, que republicamos aqui, traz um balanço sobre as diferentes formas de associações em Humanidades Digitais no mundo.

“Quais são, onde estão, e como funcionam as “Associações em Humanidades Digitais” no mundo?

Essas perguntas movem uma pesquisa que estamos realizando, no âmbito da AHDig, como uma das primeiras medidas no sentido de dar forma e corpo à nossa recém-criada rede de pesquisas.

Aqui mostramos alguns resultados preliminares da nossa investigação – ressaltando, antes de tudo, que essas são  perguntas difíceis de serem respondidas, pois os agrupamentos formados em torno desse campo parecem tomar formas tão variadas quantas são as concepções em torno do próprio campo.

De um modo geral, vemos que as diversas Associações procuram aglutinar, definir e de alguma maneira “chancelar” as iniciativas em Humanidades Digitais, e podem tanto tomar a forma de sociedades científicas tradicionais como funcionar como redes virtuais sem existência jurídica ou formal.

Um grande impulso no sentido de um agrupamento global das associações em humanidades digitais foi a criação da ADHO,Alliance of Digital Humanities Organizations (ADHO),http://ahdo.org, organização que congrega as diversas iniciativas em Humanidades Digitais desde 2002. A ADHO lista as seguintes Associações como membros constitutivos:…” [Ler mais em Associações em Humanidades Digitais: alguns exemplos ]

A Flora Brasileira de von Martius

martius_1Karl Friedrich Philipp von Martius: estudo e registro da flora brasileira

Luciana de Fátima Cândido

na Brasiliana Digital

Como parte dos nossos projetos na área de tradução – alemão, a Brasiliana USP colocou no ar importantes obras de C.P. von Martius sobre a flora brasileira, escritas entre 1823 e 1867, com uma introdução de Luciana de Fátima Cândido. Segundo a pesquisadora,  “Não restam dúvidas que 1808 foi um ano importante para o Brasil também no que diz respeito às ciências naturais e artísticas: assistimos ao que podemos chamar de redescobrimento da flora brasileira. Com a chegada da corte de D. João VI ao Rio de Janeiro e a abertura dos portos às nações amigas as restrições à entrada e permanência de estrangeiros na colônia foram revogadas. Em 1817, desembarcou no Brasil a arquiduquesa da Áustria, Maria Leopoldina, recém-casada com o príncipe do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, Pedro de Alcântara e, com ela, vieram cientistas, botânicos, zoólogos e artistas europeus que integravam a Missão Científica de História Natural. Esta Missão Austríaca, como ficou conhecida, financiou estudiosos das mais variadas ciências, como os artistas Johann Buchberger, Franz Frühbeck, Benjamin Mary e Thomas Ender, o litógrafo Johann J. Steinmann, o taxidermista Domenico Sochor, os zoólogos Johann B. von Spix e Johann Natterer, os botânicos Carl Friedrich Ph. von Martius, Johann Sebastian Mikan e Johann Emmanuel Pohl e o fotógrafo George Leuzinger. Dessa missão resultaram notáveis obras científicas e belíssimas produções artísticas.” – Leia o artigo completo em http://www.brasiliana.usp.br/node/1102

Screenshot 2013-10-16 20.21.53

Seminário Humanidades Digitais no Brasil | #HDbr – Programa

HDbr_estruturaO I Seminário Internacional em Humanidades Digitais no Brasil se aproxima!

Apresentamos aqui um breve resumo da estrutura pensada para os três dias de trabalhos, 23, 24 e 25 de outubro, sempre das 10:00 às 18:00.

(Mais detalhes no Programa, para visualização e para impressão).

As manhãs do Seminário serão abertas por conferências realizadas pelos representantes das entidades internacionais com longa tradição nas Humanidades Digitais, seguidas de apresentações de projetos em andamento. As tardes serão iniciadas por mesas redondas com especialistas brasileiros e internacionais discorrendo sobre três áreas-chave das Humanidades Digitais: a ciência da informação, a história e a linguística. Depois de cada mesa, teremos sessões de debates, com intervenções sobre temas particularmente controversos e a presença de debatedores convidados, que representam figuras expressivas da cultura digital brasileira.

Quarta-feira, dia 23:

  • O Seminário será aberto por uma conferência de Daniel O’Donnell, da Universidade de Lethbridge, fundador do Perspectivas Globais::Humanidades Digitais – Global Outlook::Digital Humanities (GO::DH) e do periódico Digital Medievalist.
  • A tarde do primeiro dia será dedicada ao tema do acesso à informação, com uma mesa redonda às 14:00 com as seguintes contribuições: de Andreas Degwitz, Bibliotecário-Chefe da Biblioteca da Universidade de Berlim-Humboldt, “From Books and Texts towards Images of Data“;de Pedro Puntoni, Diretor da Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin, “Sobre bibliotecas e livros: preservação e acesso à cultura“, e de Dália Guerreiro, da Universidade de Évora, “Bibliotecas Digitais para as Humanidades“.
  • Na sessão de debates, às 16:00, teremos a intervenção de Karim J. Gherab-Martín, da Universidad San Pablo, “The Multiplicity of Open Access in academic journals” , seguida de debates com a presença de figuras importantes da cultura digital no Brasil.

Quinta-feira, dia 24:

Sexta-feira, dia 25:

  • O dia se abrirá às 10:00 com a conferência de Dov Winer, da Universidade de Jerusalém e do Consórcio Europeana: Digital Humanities in a Linked Data world: Semantic Annotations“.
  • Em seguida, teremos uma segunda sessão de projetos, com Patrício Nunes, da Universidade Estadual de Feira de Santana, apresentando seus trabalhos sobre “A Hiperedição de acervos de escritores baianos”Luiz Veronesi, trazendo uma apresentação sobre a ferramenta de edição filológica e anotação linguística “eDictor”, e Marcelo Finger, do Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo, apresentando uma fala sobre o tema Projeto Tycho Brahe: Experiências na interação entre linguistas e cientistas da computação.
  • À tarde, começaremos às 14:00 com uma mesa redonda dedicada ao tema do trabalho computacional com o texto e a linguagem, para a qual contaremos com as contribuições de Jacqueline León, do Centre National de la Recherche Scientifique (CNRS) – The first steps of the computerization of the language sciences, Machine Translation and Corpus Linguistics: Historical perspectives“, Rita Marquilhas,  da Universidade de Lisboa – A edição digital de fontes histórico-linguísticas, e Charlotte Galves, da Universidade Estadual de Campinas,  “O Corpus Tycho Brahe: Sintaxe histórica e humanidades digitais (ou, ‘Como fazer humanidades digitais sem saber’)
  • O dia se encerra com uma sessão aberta de debates, na qual esperamos poder fazer um balanço interessante dos três dias de trabalhos.

Contamos com vocês para seguir esse programa, pensado como um primeiro passo na direção de um percurso de debates e reflexões sobre a relação entre o trabalho nas humanidades e as tecnologias computacionais no Brasil.

3º Simpósio do Programa Aprender com Cultura e Extensão

No Grupo de Pesquisas Humanidades Digitais, tivemos diversos projetos apoiados pelo programa Aprender com Cultura e Extensão, da Pró-reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP, desde 2011 – nas áreas de Ciência da Informação e Descrição de Documentos, e de Tradução. Neste ano, estaremos presentes no 3º Simpósio Aprender com Cultura e Extensão com a apresentação de mais um projeto apoiado pelo Programa. Convidamos a todos os amigos do blog para este evento!

3º Simpósio

O  Programa Aprender com Cultura e Extensão  tem a finalidade de fomentar as ações de cultura e extensão, por meio da interação das atividades de pesquisa do corpo discente da graduação, em projetos, de forma a contribuir para a sua formação. O 3º Simpósio Aprender com Cultura e Extensão, a ser realizado pela Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária, acontecerá nos dias 08, 09 e 10 de outubro de 2013, no Auditório da Faculdade de Direito de Ribeirão Preto, sito à Av. Bandeirantes, 3900, Monte Alegre, Ribeirão Preto, tendo como objetivo divulgar e avaliar as apresentações orais e os pôsteres dos projetos de cultura e extensão desenvolvidos na edição de 2012/2013, proporcionando um espaço de troca de experiências entre todos os envolvidos, que debaterão questões de cultura e extensão no âmbito da Universidade de São Paulo.” Leia mais em:  http://prceu.usp.br/simposio/.

I Seminário Internacional em Humanidades Digitais no Brasil

I Seminário Internacional em Humanidades Digitais no Brasil
I Seminário em Humanidades Digitais no Brasil propõe uma reflexão em torno da relação entre as humanidades e as tecnologias digitais na atualidade, lançando o debate sobre as “Humanidades Digitais” na comunidade de pesquisas brasileira.

Uma iniciativa do Grupo de Pesquisas Humanidades Digitais (HD.br), o Seminário conta com o apoio da Alliance of Digital Humanities Organizations (ADHO), da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), e da Pró Reitoria de Cultura e Extensão Universitária da Universidade de São Paulo (PRCEU).

O evento pretende reunir pesquisadores e interessados em explorar e interrogar a produção, a organização e a difusão da informação no meio digital.

Para isso, o painel de convidados do evento congrega nomes importantes do campo internacional das Humanidades Digitais e membros da comunidade de pesquisa brasileira com projetos nas áreas de formação de bibliotecas digitais, tecnologias de texto e de processamento da linguagem, ou as tecnologias de georeferenciamento aplicadas na área de história, discutindo suas implicações na produção e difusão do conhecimento.

Data: 23, 24 e 25 de outubro

Local: Auditório István Jancsó, Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin, Universidade de São Paulo

Inscrições e mais informações em http://seminariohumanidadesdigitais.wordpress.com

A Comissão Organizadora
I Seminário Internacional em Humanidades Digitais no Brasil

humanidadesdigitais@gmail.com

hd_destaque

‘Media Commons’: novas perspectivas para a escrita acadêmica

Imagem de http://mediacommons.futureofthebook.org/

A necessidade de se publicar trabalhos científicos rigorosamente criticados por pares em grandes quantidades é hoje um consenso no mundo acadêmico – ao menos, é um consenso a cuja métrica todos os que desejam permanecer ativos na vida intelectual universitária precisam se adaptar. Poucos, entretanto, têm se aventurado a interrogar o sentido que a expressão “crítica por pares“, ou mesmo o termo “publicar“, adquiriram nos dias de hoje. As publicações acadêmicas continuam a seguir a lógica do mundo impresso – quando não na sua forma física, ao menos na sua metodologia.

Nesse contexto, a editora Media Commons Press – Open scholarship in open formats (parte do projeto mais amplo Media Commons) aparece como um sopro de inovação. Iniciada em 2007 pela pesquisadora norte-americana Kathleen Fitzpatrick, da Universidade de Nova York, a editora se propõe a publicar trabalhos acadêmicos em formato inteiramente aberto à leitura e à contribuição crítica de comentaristas registrados – um “peer-review” colaborativo em linha.

Um caminho extremamente interessante para se conhecer o conceito da editora é ler, na plataforma, seu livro inaugural – “Planned Obsolescence: Publishing, Technology, and the Future of the Academy“, da própria FItzpatrick, que discute os desafios dos formatos atuais de publicação acadêmica e propõe novos formatos e conceitos para a difusão do trabalho científico. Propõe, e executa – a leitura do texto, na plataforma colaborativa, é de fato uma experiência extremamente interessante, uma ‘meta-leitura’, na qual o assunto debatido no livro vai sendo instantaneamente atuado conforme os nossos olhos progridem pela tela.

Planned Obsolescence” toca diversos temas muito interessantes, que renderiam vários posts e conversas. Aqui destacamos uma propriedade singular do livro: sua avaliação crítica da metodologia tradicional da publicação acadêmica não se limita ao já cansativo debate “papel versus tela”. Ao contrário, a autora pinça, na diferença entre as duas formas de publicação, aquilo que é de fato o mais importante (e que poucos percebem): a publicação digital pode prescindir de intermediários, colocando o autor em contato direto com o leitor – e, no caso do texto acadêmico, também com o revisor crítico.  As novas formas de construção de texto possibilitadas por essa propriedade são ainda inexploradas, e o projeto Media Commons Press é um caminho de vanguarda muito interessante nesse sentido.

crosswordbig
Imagem de http://mediacommons.futureofthebook.org/

Análise e visualização de redes: o Gephi

Modelo de visualização por algoritmo  (mais modelos em https://gephi.org/features)
Modelo de visualização em Gelphi por algoritmos múltiplos (mais em https://gephi.org/features)

O desenvolvimento de novas formas de visualização de informações tem sido uma das áreas mais ativas nas humanidades digitais. Já comentamos, aqui no blog, as técnicas de representação textual em nuvens de palavras. Mas entre os projetos voltados para a manipulação de dados históricos, espaciais e textuais, destacam-se os que fazem uso de ferramentas baseadas em grafos para a visualização de redes. Continue lendo “Análise e visualização de redes: o Gephi”

I Seminário “O Tupi antigo e as línguas gerais na formação da civilização brasileira”

A Área de Línguas Indígenas e o Centro Ángel Rama da FFLCH-USP convida a todos para o I SEMINÁRIO ‘O TUPI ANTIGO E AS LÍNGUAS GERAIS NA FORMAÇÃO DA CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA’, a acontecer nos dias 27 e 28 de junho.

Palestra de abertura: Prof. Alfredo Bosi.

Mais informações no site do evento: https://sites.google.com/site/seminariotupi

Gravura em cobre de Theodor de Bry. Dança ritual dos Tupinambá.
Gravura em cobre de Theodor de Bry. Dança ritual dos Tupinambá.

Nosso blog no Dia das Humanidades Digitais

O Dia das Humanidades Digitais em Português e Espanhol foi um sucesso, com 97 blogues e 144 membros cadastrados. Em breve a plataforma será fechada, e os blogues participantes serão reorganizados e recompilados. Assim, os organizadores pretendem começar um debate em torno da pergunta que impulsionou a iniciativa: “o que é que fazem, efetivamente, os ‘Humanistas Digitais’ ?“.

Enquanto isso… Convidamos a todos para visitar nosso blog na plataforma. Optamos por compor um blog-diário, simplesmente postando sobre o que estávamos fazendo a cada período do dia – e tiramos algumas fotos! Pensamos assim ter formado um retrato do nosso cotidiano de pesquisas… Visite-nos! Em http://dhd2013.filos.unam.mx/humanidadesdigitaisusp/

20130615-130721.jpg

O dossiê biográfico nas Viagens Filosóficas

Dentro do grupo “Viagens, arte e ciência no Mundo Português” – no contexto dos nossos projetos na linha de História da Ciência –, a leitura da obra de Dosse surgiu como norteadora para a criação de um dicionário biobibliográfico, dentro do site da Biblioteca Brasiliana USP, com a finalidade de compilar os estudos realizados no mestrado e doutoramento da professora Ermelinda Moutinho Pataca. O projeto pretende que a inserção do dicionário não apenas transmita informações de modo acumulativo, mas contribua para a comunicação entre diferentes conhecimentos que possam se encontrar nestas, e através destas, memórias. Continue lendo “O dossiê biográfico nas Viagens Filosóficas”

Chegou o dia das Humanidades Digitais!

logo-pt-br

A plataforma em http://dhd2013.filos.unam.mx/pt-br/blogs contém 85 blogs, com 123 membros! Aqui fazemos uma lista com alguns dos blogs notáveis. Ao longo do dia, vamos atualizar esses endereços, pelo Facebook e pelo Twitter (@HDigitais).

Antes, colocamos em destaque o post ¿Cómo surgió el Día de humanidades digitales?, no blog de Paul Spence, que explica o nascimento da idéia.

Um bom dia a todos!

Alguns blogs em português:

Alguns blogs em espanhol: